sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Agulhas e Linhas... - Casa de Euterpe



Semana passada, dediquei-me a uma atividade que adoro e que há muito tempo não fazia: recomecei a bordar!

Isso mesmo. Adoro bordar e resolvi iniciar um novo projeto de bordado.

Não sou uma bordadeira exímia, mas consigo apresentar algo razoável. O resultado fica bonito e me dá grande prazer fazê-lo. Distraio-me entre agulhas e linhas e o tempo passa sem que eu perceba. Por ser uma atividade eminentemente feminina, serve para o exercício da delicadeza, da leveza, da harmonia e da beleza.

Pensando nisso enquanto bordava, comecei a relacionar essa tarefa com outras questões e foi possível chegar a algumas conclusões interessantes.

Quando bordo, gosto do chamado bordado livre. Nessa modalidade seguimos apenas um risco básico, um desenho pré-concebido e ficamos à vontade para escolher os pontos, as linhas, as cores, os tecidos.

Penso que na vida igualmente devemos agir assim. Penso que temos um desenho, o qual precisamos preencher e colorir. Temos uma história a desenvolver. Esse desenho não nos cabe contestar. O Universo agiu por nós e a isso podemos chamar de Destino.

Todavia, como preencheremos e embelezaremos esse desenho, as cores que usaremos, a textura das linhas e dos tecidos e a modalidade dos pontos são escolhas nossas e de nossa inteira responsabilidade. A isso chamamos livre arbítrio!

De forma, nada está fixamente determinado. Temos imensa liberdade de escolha. Da mesma forma que no projeto de bordado livre, onde às vezes precisamos retocar o desenho e o fazemos sem alterar o seu tema, na vida também podemos redirecionar nosso destino por meio de nossas escolhas, de nossas opções. Tudo está inclinado, mas nada determinado.

Tem ocasiões, no bordado, que optamos pela realização de um ponto mais complexo o qual ainda não estamos muito aptos a executar. No início, ele não sairá perfeito, mas com a sua execução contínua, aperfeiçoa-se. Muitas vezes, temos de desmanchar o trabalho, porém com o tempo o ponto fica perfeito, bonito. Da mesma forma ocorre com as situações que a vida nos apresenta. Tem algumas que não conseguimos resolver “de prima”, porém se não desistimos e agimos com perseverança, em algum tempo conseguimos resultados muito satisfatórios. E nosso bordado da vida fica muito bonito, pois a prática, a ação nos deu condições de imprimir beleza e harmonia ao nosso projeto.

Quando bordamos por muito tempo, é possível que nossos dedos fiquem doloridos por causa da picada das agulhas. Mesmo percebendo isso, não paramos porque a beleza do que estamos fazendo nos impulsiona a continuar. Assim é na vida. Muitas vezes picamos os dedos com nossas agulhas, mas devemos ter em mente o objetivo a que nos propusemos e, por ele, continuar bordando, seguir adiante mesmo que doa, pois o resultado final valerá a pena.

Ainda, é possível que em um momento nos falte o material correto para a efetivação da peça de bordado. Acontece que a boa bordadeira sabe substituir um material por outro. Sabe usar linhas com fio duplo, sabe usar restos de fios para finalizar uma etapa e transformar as cores quando necessário. Na vida, muitas vezes temos de saber agir assim. Quase nunca as coisas acontecem como imaginamos e a capacidade de solucioná-las e dar-lhes um correto direcionamento é o diferencial entre o fracasso e o sucesso.

No bordado, o resultado final do trabalho está inteiramente sujeito à habilidade da bordadeira e ao teor de suas escolhas. Assim o é também na vida. Quando a olhamos de frente, a beleza ou não de seu desenho, depende e dependerá de tudo o que fizemos até o momento. A harmonia dos tons, o equilíbrio das cores, a leveza da peça dependem das escolhas que fizemos e de mais nada.

Por isso, é preciso bordar bem, com determinação, com perseverança e, principalmente, com Amor para que no final do trabalho, nossa peça não seja um emaranhado de linhas onde não é possível se distinguir o desenho, mas que apresente como uma obra de arte, um monumento de Amor a Deus e ao Universo, uma vida que nos dê o são orgulho de não ter sido vivida em vão…



#casadeeuterpe #aprendizado #determinação #perseverança  #trabalho  #bordado  #amor  #deus  #universo